5 erros do investidor iniciante e como evitá-los


Começar a investir no mercado financeiro traz oportunidades, mas também impõe alguns desafios. Para o investidor iniciante, existem situações que podem induzir ao erro e comprometer a performance do patrimônio.


Embora errar seja natural do processo de aprendizado, é importante conhecer as falhas frequentes de quem entra no mundo dos investimentos. Ao estar ciente sobre elas e de como evitá-las, é possível aproveitar melhor o seu dinheiro e ter mais segurança ao investir.


A seguir, mostro 5 erros do investidor iniciante e o que fazer para impedir que eles aconteçam na sua trajetória!


1. Não montar a reserva de emergência

Muitas vezes, devido à empolgação de entrar no mercado financeiro, os investidores iniciantes começam a fazer aportes sem ter uma reserva de emergência. Esse é um erro que requer atenção, pois pode prejudicar a segurança e a continuidade da estratégia.


Na prática, a reserva de emergência corresponde a uma quantia disponível para cobrir imprevistos financeiros. Como o próprio nome diz, ela é usada em casos de emergências e situações atípicas, evitando o endividamento.


Para oferecer segurança, o recomendado é que ela tenha um valor equivalente a 6 meses do custo de vida, no mínimo. Além disso, é importante que a reserva seja investida em um produto ou ativo que possa ser resgatado a qualquer momento e que seja o mais seguro possível.


Uma alternativa para manter a reserva de emergência é o fundo Tesouro Selic Simples, do BTG Pactual digital. Desse modo, é possível garantir a disponibilidade financeira sempre que precisar, além de maior segurança.


Diante disso, o investidor iniciante deve contemplar a formação da reserva em seu planejamento financeiro. Afinal, ela consegue trazer maior estabilidade financeira em diversas situações, como a perda de emprego ou outros imprevistos.


Por outro lado, se o investidor escolhe diversificar os aportes desde o começo, sem esse montante, pode ser necessário fazer o resgate ou a venda antecipada de ativos. Com isso, é possível enfrentar condições desfavoráveis, incluindo a perda de dinheiro.


2. Focar na rentabilidade e se esquecer do risco

Outro erro comum ao investidor iniciante diz respeito à composição da carteira de investimento. Diante de tantas alternativas no mercado, é muito frequente que haja um foco excessivo na rentabilidade.


Isso acontece porque o investidor é seduzido pelos resultados e passa a desejá-los em sua estratégia de investimento. No entanto, essa maior atenção sobre a rentabilidade costuma estar atrelada a uma desconsideração do risco. Por consequência, as escolhas podem não ser adequadas.


É o caso de quem começa a investir em ações, fundos imobiliários ou até criptoativos por ter acompanhado algum retorno interessante. Nessa situação, é normal que o investidor acredite em um rendimento positivo constante, quando, na verdade, ele é fruto de oscilações e movimentos de mercado.


Sem entender essa questão, o investidor pode ser levado a resgatar os recursos durante as quedas do mercado, motivado pelo medo ou ansiedade. O motivo é que ele não estará preparado para a volatilidade dos investimentos e, com isso, é possível ter perdas financeiras.


Em vez de apenas mensurar o potencial de retorno, é preciso também entender o risco e a sua relação com o perfil de investidor. Considere, também, os efeitos de uma queda e o comportamento do investimento no passado, diante de oscilações.


3. Estimar uma rentabilidade irreal

Ter uma postura muito otimista diante da rentabilidade que pode ser obtida ao aplicar dinheiro é mais um erro recorrente. O motivo é que o investidor que ainda não tem muita experiência tende a projetar um retorno que, na prática, pode não se concretizar.


Isso acontece porque quem começa a investir agora tende a atrelar o resultado à própria capacidade de economizar, escolher investimentos e gerenciar a carteira. Todavia, a rentabilidade também depende de outros fatores que não estão sob o controle do investidor.


Diante disso, as projeções irreais podem causar frustração e levar a decisões incorretas ou mais arriscadas que o necessário. O otimismo em excesso, por sinal, pode estar associado à falta de conhecimento do que é, de fato, possível no mercado.


O megainvestidor Warren Buffett, por exemplo, tem uma carteira com rentabilidade média anual de 20%. O valor médio foi obtido com base no histórico de décadas e pode servir de referência.


Afinal, se uma pessoa projeta um ganho acima da média de um dos maiores investidores do mundo, é provável que existam erros na análise. Por isso, é fundamental que o investidor iniciante tenha humildade e cautela na estimativa inicial para chegar a valores realistas.


4. Pensar em produtos e não em alocação

Existe mais uma falha que costuma ser cometida por quem começa a investir: a atenção exclusiva em certos produtos ou ativos, de maneira individual. Normalmente, isso acontece quando o investidor iniciante tem uma visão distorcida sobre a formação da carteira.


Em uma analogia, é como se ele enxergasse o ato de investir como uma corrida de cavalo, na qual ele precisa escolher o vencedor. Nesse caso, representado pelo investimento que apresenta a maior rentabilidade.


Contudo, o mais importante é a alocação, ou seja, a forma como os recursos são distribuídos na carteira de investimento. Essa divisão faz a diferença, até porque estudos apontam que mais de 90% dos resultados do portfólio decorrem da alocação.


Sendo assim, é preciso planejar quanto investir em renda variável, em renda fixa e em seus diversos produtos e ativos. Em outras palavras, em vez de investir individualmente, você deve pensar na participação de ações, fundos imobiliários, ouro, dólar, títulos etc.


Como a distribuição é um fator gerador de rentabilidade, é necessário olhar seus investimentos como um todo e não produto a produto. Afinal, cada investimento tem uma função, colaborando com o resultado da sua carteira.


Leia também: Como montar uma carteira de investimentos ideal?


5. Escolher uma instituição financeira com atendimento deficiente

Não é apenas a escolha dos investimentos que afeta o resultado ou que pode motivar erros no investidor iniciante. A decisão da instituição que será utilizada para intermediar os seus investimentos também é fundamental, mas nem sempre é considerada.


É o que acontece quando o investidor se dedica a estudar estratégias e oportunidades do mercado financeiro, faz boas escolhas, mas seleciona uma instituição apenas pelo custo, por exemplo.


Ao deixar de avaliar outros fatores, o investidor pode enfrentar alguns problemas em sua jornada. Isso pode acontecer se você não avaliar o atendimento, pode não ter a quem recorrer se precisar esclarecer dúvidas.


Além disso, o horário de atendimento pode ser muito restrito. Nessa situação, provavelmente o investidor precisará sacrificar um tempo do próprio trabalho para resolver problemas.


É por isso que é indispensável buscar uma instituição financeira que tenha excelência no atendimento. Com o BTG Pactual digital você tem acesso ao atendimento 24 horas e pode tirar dúvidas a qualquer momento via telefone, e-mail ou chat.


Agora que você sabe quais são os erros do investidor iniciante, é fundamental atuar para evitá-los. Com esses cuidados, você terá mais segurança para fazer aportes e buscar melhores resultados em sua carteira.


Conhece alguém que está começando a investir agora? Compartilhe o post em suas redes sociais e ajude outras pessoas a evitar esses erros!



O conteúdo disposto neste artigo foi originalmente publicado no blog do BTG Pactual Digital, sendo toda a responsabilidade, direitos autorais e crédito devido a seus autores.