Toyota investe R$ 1,1 bilhão em gestão de frota e vai brigar com locadoras


A Toyota está dando um importante passo para antecipar o futuro do setor automotivo, em que a venda de veículos já não será o grande negócio das montadoras. Nesta quinta-feira, 12, a companhia japonesa lança oficialmente o Kinto One, serviço de terceirização de frotas corporativas, com um investimento inicial de 1,1 bilhão de reais. O movimento promete balançar as locadoras, que até agora tinham espaço absoluto no segmento.


“Grandes montadoras vêm produzindo e vendendo carros nos últimos 100 anos. Mas no futuro o conceito de mobililidade, com utilização em vez da posse, vai ser ampliado e comprar um veículo não vai ser mais prioridade”, afirma Masahiro Inoue, presidente da Toyota e da Kinto para a América Latina e Caribe, em entrevista exclusiva à EXAME.


Hoje, o negócio de gestão de frotas corporativas está basicamente nas mãos de grandes locadoras. No entanto, segundo estimativas de mercado, de 80% a 90% das empresas brasileiras têm frota interna, o que abre um enorme espaço de atuação para novos players.


Neste cenário, a Toyota lança o Kinto One, serviço voltado para empresas que desejam terceirizar sua frota de veículos com condições diferenciadas para as marcas Toyota e Lexus. O serviço faz parte da Kinto, braço de soluções de mobilidade da montadora, resultado de uma joint venture criada no Japão em fevereiro de 2019 com a Toyota Financial Services e o grupo Mitsui.


A Toyota acredita que a pandemia acelerou a busca das empresas por redução de custos. Além da locação, documentação, seguro, telemetria, gestão de multas, manutenção e assistência, o novo serviço oferecerá ferramentas e relatórios para gestão de frota e customização de veículos.


“Nosso posicionamento vai além da gestão da frota, vamos nos posicionar como um parceiro de negócios do cliente”, afirma Roger Armellini, diretor comercial da Kinto Brasil.


Para a matéria completa, acesse: https://exame.com/negocios/toyota-investe-r-11-bilhao-em-gestao-de-frota-e-vai-brigar-com-locadoras/



O conteúdo disposto neste artigo foi originalmente publicado na Exame, sendo toda a responsabilidade, direitos autorais e crédito devido a seus autores.