Coronavírus e os investimentos em ações: a importância da seletividade na decisão


Desde o início da crise do coronavírus, existem diversas opiniões acerca do comportamento das ações na bolsa de valores. É inegável que a situação causou um grande impacto no Brasil e nas principais bolsas de todo o mundo.


Os preços passaram por fortes quedas e o cenário continua instável. Enquanto muitos investidores se deixaram levar pelo medo e se desfizeram de seus ativos, outros estão buscando identificar oportunidades interessantes na bolsa por preços descontados.


Uma questão que merece atenção nesse contexto é a qualidade necessária na seletividade das ações. Você sabe como diferenciar uma oportunidade de uma armadilha? É sobre este assunto que gostaria de falar no post de hoje.


Há oportunidades na bolsa durante a crise?

O forte impacto na economia mundial de uma situação imprevisível – como a pandemia –  pode colocar em dúvida se existe luz no fim do túnel. Afinal, há mesmo oportunidades na renda variável durante uma crise econômica?


Vale lembrar, primeiramente, que o Brasil — e o mundo — já passaram por inúmeras crises ao longo dos anos. E algo em comum entre elas está no fato de que o mercado se recupera. Contudo, é preciso considerar as particularidades de cada uma em relação ao tempo e aos setores afetados.


Mas, de modo geral, podemos entender que a economia volta a crescer depois de uma crise. Para se ter uma ideia, a crise dos subprimes em 2008 provocou quedas intensas no mercado, mas a recuperação aconteceu ao longo dos meses seguintes.


No Brasil, desde 2008 os preços das ações não estavam tão descontados na bolsa. Então, existem sim oportunidades geradas pela crise do coronavírus.


Entretanto, precisamos ter cuidado ao avaliar o horizonte, pois não há informações conclusivas sobre a extensão do problema.


O início da quarentena nos países afetados pela doença Covid-19 influenciou a retração econômica e causou movimentações bruscas nas bolsas. Com o tempo, os ânimos foram se equilibrando, mas não é possível prever uma recuperação em breve.


Investir em companhias sólidas pode trazer ganhos substanciais quando o mercado voltar a subir. Ainda assim, a crise causa efeitos nas empresas e nem todas estarão preparadas para lidar com eles. Por isso, a identificação de oportunidades requer cuidado.


Leia também: Investir em empresas sólidas na crise: como fazer uma boa escolha? | André Bona


A queda de preços sempre indica oportunidade?


A ideia central deste conteúdo é chamar sua atenção para a importância da seletividade de ações durante a crise do coronavírus. Ou seja, nem sempre a queda de preços indica, de fato, boas oportunidades de investimento.


Muitas vezes, a compra de ações em um período de queda do mercado é comparada com liquidações em lojas. Se um produto mantém a qualidade e está sendo vendido a preços descontados, trata-se de uma boa oportunidade.


Contudo, nem sempre é isso que acontece no mercado de ações. Por causa da crise, muitas empresas podem ter perdido parte de sua qualidade — isto é, não apresentam as mesmas condições que tinham antes do problema econômico acontecer.


Por outro lado, a queda dos preços pode animar muitos investidores e aumentar o risco de caírem em armadilhas. Por isso, lembre-se de que uma avaliação das ações não deve considerar apenas o cenário antes do impacto, mas especialmente o presente e o futuro da companhia.


Mesmo ótimas empresas podem sofrer profundos impactos em uma crise – fazendo com que suas ações tenham motivo para diminuir de valor. Assim, é possível encontrar companhias sendo vendidas a preços caros, ainda que pareçam baratas.


Em resumo: não se deixe levar apenas pela queda dos preços. Ela é geral. O que você deve aprender a diferenciar é se a queda refletiu a perda de valor da companhia ou se ela continua mantendo bons fundamentos e pode ser identificada como uma oportunidade.


O que avaliar nas ações durante a crise do coronavírus?


Você acabou de entender que o caminho para fazer boas escolhas para sua carteira no momento é analisar não o que a empresa foi antes da crise, mas o que ela é agora e o que poderá se tornar no futuro.


É preciso refletir sobre os impactos do coronavírus em cada negócio. Eles foram mais leves ou profundos? São pontuais e podem ser superados ou causarão mudanças estruturais na empresa ou no setor em que ela atua?


Responder a perguntas assim é essencial, pois a recuperação da bolsa e da economia não se dá de forma homogênea. Alguns setores e empresas se recuperam mais rápido do que outros — e há, infelizmente, aquelas que não conseguem se recuperar.


Então, veja alguns pontos que merecem ser analisados – seja durante a crise do coronavírus ou em qualquer outra situação de adversidade no mercado:


Prazo de investimento


Em primeiro lugar, há um aspecto que não tem relação direta com a empresa, mas com as suas expectativas ao investir. Tenha em mente qual é o prazo para crescimento do dinheiro que você aportou.


Como a crise do coronavírus não mostra seu final ainda, é difícil prever o comportamento das ações no curto prazo. Logo, oportunidades na bolsa agora devem ser consideradas, preferencialmente, para o longo prazo.


Setor do negócio


Outro fator que deve entrar na avaliação de quem pretende comprar ações durante a crise do coronavírus é o setor no qual você investirá. Algumas áreas de atuação foram mais afetadas pela crise — por exemplo, empresas de aviação, turismo e entretenimento.


Além de sofrerem maior impacto e terem dificuldade para manter o funcionamento, os setores provavelmente demorarão mais tempo para se recuperar. Enquanto isso, existem outros em melhores condições. Então, vale a pena analisar.


Histórico de lucros


Relacionado às empresas em si, o investidor deve ficar atento à saúde financeira do negócio. Em especial, se ele vem com bom histórico de lucros nos últimos anos e se tem fluxo de caixa positivo para enfrentar a crise.


Companhias que já se encontravam endividadas ou tiveram prejuízo recentemente podem enfrentar mais obstáculos para passar pela crise. Por isso, avalie o histórico e procure também conhecer projeções sobre o futuro da empresa.


Nível de governança


Por fim, é válido ter atenção com o nível de governança que o negócio apresenta. A qualidade da gestão é fundamental para dar segurança aos investidores de que a companhia tomará as melhores decisões para superar a crise.


Empresas bem geridas apresentam maior solidez no longo prazo. E são exatamente nos momentos de dificuldades que a qualidade dos gestores se faz necessária e evidente. Aproveite a chance para analisar isso com cuidado.


Agora, você tem melhores condições de identificar oportunidades de ações na crise do coronavírus. Considere as informações que compartilhei com você neste conteúdo e evite cair em armadilhas ao se deixar levar apenas pelos preços mais baixos na bolsa.


Precisa de auxílio para tomar as melhores decisões de investimento? Então conheça a área de análise do BTG e confira as carteiras recomendadas pela equipe do maior banco de investimentos da América Latina!


Você também pode gostar:



O conteúdo disposto neste artigo foi originalmente publicado no blog do BTG Pactual Digital, sendo toda a responsabilidade, direitos autorais e crédito devido a seus autores.