Como vencer a insegurança e começar a investir em renda variável


A educação financeira avançou muito nos últimos anos. Por meio de artigos, vídeos e cursos online, investidores possuem acesso a um universo de informações inimaginável décadas atrás.


No entanto, muitas pessoas ainda se sentem inseguras ao investir em renda variável, e isso é perfeitamente normal.


No artigo de hoje, elencarei algumas formas de você vencer esta barreira e iniciar sua jornada como investidor.

A insegurança ao investir em renda variável é saudável

Primeiramente, é bom ressaltar que o medo é uma reação saudável ao desconhecido. Ao não saber exatamente o que está fazendo, ou avançar em um território que você nunca pisou, é necessário cautela.


Quando partimos para o novo, caminhamos para algo desconhecido. Não é recomendável seguir radicalmente regras impostas, como “eu sou jovem, então colocarei 50% do meu patrimônio em renda variável”. Se isso for abalar sua saúde ou deixá-lo em uma situação de grande ansiedade, não vai valer a pena. Dessa forma, você se arrependerá e perderá o foco.


Se você nunca investiu em renda variável, a minha recomendação é iniciar aos poucos, com pouco dinheiro. Mesmo que o seu perfil de investidor permita que esteja mais exposto a riscos.

Como começar na prática

Segue um exemplo prático de como adequar a sua estratégia de investimento de acordo com a sua curva de aprendizado.


Vamos dizer que a sua estratégia permita investir em renda variável até 40% da sua carteira, por exemplo. No entanto, você ainda está formando a reserva de emergência. Então, você vai ter agora 100% do seu patrimônio alocado em renda fixa.


Uma vez que a reserva de emergência esteja construída e o plano de independência financeira tenha início, você estará preparado para investir em renda variável. Afinal, você terá uma parcela de renda fixa lhe dando proteção para o curto prazo.


Então, os próximos passos são abrir uma conta em corretora, estudar o home broker e investir um valor pequeno para você comprar ações, e entender como o mercado financeiro funciona. O restante do dinheiro que você iria investir em renda variável pode ser aplicado em um fundo de ações ou em fundos imobiliários.


É bom ressaltar que, mesmo investindo em um fundo, a lição de casa deve ser bem feita. Entre na página do gestor e tente estudar os relatórios e a performance do fundo. Tente descobrir quando acontecem as assembleias. Procure entender qual a visão do gestor para o longo prazo.


Dessa forma, você começará a entender a dinâmica do fundo e desenvolverá algumas habilidades para fazer questionamentos como “não gosto da visão excessivamente conservadora desse gestor, queria um gestor um pouco mais ousado”, por exemplo.

A insegurança ao investir em renda variável relacionada com a aversão à perda

É importante deixar bem claro que não existe ganho em renda variável sem oscilação. Não existe período de dez meses seguidos de rentabilidade positiva na renda variável. O que existe são meses positivos intercalados com outros negativos.


Ou seja, você tem que se habituar à oscilação e entender que não está perdendo nada quando tem algum investimento que está acompanhando uma tendência e que tem a natural volatilidade do mercado.


É bom ressaltar que o acompanhamento desta tendência requer um critério. Seja análise técnica, análise fundamentalista, recomendação de uma corretora, banco de investimentos ou casa de análise. O seu papel como investidor é refinar estes critérios, para que os momentos de maior volatilidade se apresentem como grandes oportunidades para você, e não como momentos de apreensão.

Conclusão

O conhecimento é o melhor antídoto contra a insegurança ao investir em renda variável. Dessa forma, esta sensação de angústia será substituída por um processo gradativo de aprendizado e confiança.


Estude sobre renda variável, leia artigos e livros, participe de fóruns e cursos. Assim você sentirá cada vez mais segurança para tomar suas decisões e não terá pressa para migrar para uma carteira mais arrojada. Com o tempo você passará a conhecer estratégias mais ousadas que, combinadas com o conhecimento adquirido, te ajudarão a ter mais clareza nas escolhas.


É claro que você, eu e todos os investidores cometeremos erros. Mas as estratégias e cuidados que mencionei acima farão com que os “tombos” gerem apenas alguns arranhões.



O conteúdo disposto neste artigo foi originalmente publicado no blog do BTG Pactual Digital, sendo toda a responsabilidade, direitos autorais e crédito devido a seus autores.