Como funcionam os fundos multimercados e como selecioná-los


Os fundos multimercados podem ser considerados aqueles que proporcionam uma carteira de composição mais equilibrada.


Talvez seja a categoria menos conhecida pelos investidores, que visa a uma melhor proteção contra variações negativas de um determinado mercado.


Por isso, é muito importante você entender como funciona essa categoria de fundo.

Este é o tema do artigo de hoje.


Dinâmica dos fundos multimercados


Existem dois tipos principais de fundos de investimento no mercado, no que se refere à rentabilidade.


Nos de renda fixa, um gestor profissional vai fazer uma seletividade de prazo, quantidade e diversificação de títulos para trazer uma combinação de rentabilidade diluída no risco.


Nos fundos de renda variável, a alocação envolve ações, fundos imobiliários, fundos de ouro, entre outras modalidades.


Em um universo onde consideramos que existem fundos específicos para categorias específicas, qualquer investidor que queira ter uma carteira diversificada terá que selecionar um bom fundo de ações, um bom fundo de renda fixa, um bom fundo cambial, entre outras opções para compor uma carteira diversificada. Naturalmente, algumas pessoas vão sentir dificuldades para montar esta carteira, por mais orientada que ela seja.


Para quem quer uma administração eficiente, mas sem o trabalho de ficar ajustando percentuais de aplicações, existem os fundos multimercados. Esta modalidade de investimento confere ao gestor maior liberdade de decisão sobre a alocação e a estratégia do fundo.


No entanto, mesmo com esta liberdade maior de alocação, o gestor deverá informar em seu prospecto (documento que apresenta de forma destacada as principais informações relevantes contidas no regulamento para o investidor) quais regras devem ser seguidas pelo fundo em questão.


Nele o gestor pode informar, por exemplo, que investirá até 70% em renda variável, ou se o fundo pode ou não ser alavancado, se investirá em crédito privado, etc. Você terá neste documento as principais características do produto.


Categorias de Fundos Multimercados


Para facilitar o entendimento do investidor sobre a estratégia de investimento, a ANBIMA classifica os fundos multimercados nas seguintes categorias e subcategorias:

  • Alocação: fundos que se posicionam em diversas classes de ativos.

  1. Balanceados: a alocação dos ativos é pré-determinada e explícita em seu regulamento. Não possui alavancagem.

  2. Dinâmicos: possui uma política flexível de alocação. Admitem alavancagem.


  • Estratégia: fundos que se baseiam em estratégias de investimentos determinadas pelo gestor.

  1. Macro: estratégia definida de acordo com o cenário macroeconômico de curto e longo prazo.

  2. Trading: objetivam ganhos por meio de operações de curto prazo no preço das diversas classes dos ativos.

  3. Long and short direcional: operam ações e derivativos, com posições compradas (long) e vendidas (short), gerando resultado com diferença entre as duas posições.

  4. Long and short neutro: mesma estratégia do long and short direcional, com exposição financeira limitada a 5%.

  5. Juros e moedas: buscam retornos através de estratégias que envolvem juros, índices de preço ou moeda estrangeira, sem alocação em renda variável.

  6. Livre: fundos sem compromisso de estratégia específica.

  7. Capital Protegido: fundos que buscam proteger, parcial ou totalmente, o principal investido.

  8. Estratégia Específica: fundos que adotam estratégia que implique riscos específicos.


  • Investimento no Exterior: fundos que investem em ativos no exterior em parcela superior a 40% do patrimônio líquido.


Como selecionar um fundo multimercado


Na prática, para selecionar um bom fundo multimercado você precisa avaliar o chamado “currículo do gestor”.


Primeiramente é necessário avaliar dentro da categoria em questão quais têm um desempenho histórico melhor, uma capacidade melhor de lidar com a volatilidade, com as incertezas, e quais entregam de forma acumulada um desempenho melhor para os cotistas do fundo.


Mesmo que não exista um histórico muito longo do fundo para analisar seu desempenho diante das crises (entre 3-5 anos), outro fator considerado é a tradição da casa, do administrador e da equipe, para que você confie na competência deles.


Bons fundos multimercados são aqueles com um benchmark a ser perseguido. Por exemplo, um fundo multimercado conservador pode ter o desejo de superar o CDI.


Por outro lado, um fundo arrojado deve superar o Ibovespa. Sua qualidade estará relacionada ao processo de superar constantemente este benchmark.


Nesta categoria, fundos que diante de uma oscilação no Ibovespa variam sempre favoravelmente ao cotista serão os melhores: fundos que ganham mais quando a bolsa sobe e perdem menos quando a bolsa cai.


Conclusão


Os fundos multimercados são uma boa escolha para momentos de incerteza. Sua carteira equilibrada pode ajudar a evitar grandes perdas em caso de crise de algum mercado. São também alternativa para quem quer diversificar, mas não se sente em condições de fazê-lo pessoalmente.


Vale a pena se aprofundar nesse mercado e estudar os indicadores como o Índice de Sharpe, que mostra com que facilidade o gestor adquire o desempenho prometido para o seu cotista.


Quanto mais você estudar sobre esse assunto, mais você vai qualificar suas escolhas.



O conteúdo disposto neste artigo foi originalmente publicado no blog do BTG Pactual Digital, sendo toda a responsabilidade, direitos autorais e crédito devido a seus autores.